JELLYFISH PICTURES

Com um estúdio de efeitos visuais na nuvem, o mundo inteiro é um grande palco

STATE OF DESIGN & MAKE

Compartilhe esta história

 

Imagem gentilmente cedida pela Jellyfish Pictures

A transformação digital fortalece uma força de trabalho remota global e oferece fluxos de trabalho cada vez mais eficientes

Para a aclamada empresa de efeitos visuais Jellyfish Pictures, transformação digital significa levar o estúdio aos artistas. Em um tempo de incertezas, a empresa estendeu seus investimentos em tecnologia de nuvem e conseguiu manter um verdadeiro elenco de projetistas e codificadores premiados, mantendo equipes híbridas reunidas em um estúdio virtual de efeitos visuais na nuvem. Crescendo em maturidade digital nos últimos dez anos, a Jellyfish Pictures conquistou vantagem em um mercado cada vez mais competitivo, capacitando uma força de trabalho global, aumentando a eficiência e orientando operações mais sustentáveis.

Artistas do Jellyfish Pictures colaboram em um projeto.

O Jellyfish usa tecnologias baseadas na nuvem para envolver funcionários globais remotos em uma experiência de trabalho quase idêntica à usada pela equipe na sede em Londres. Imagem cortesia do Jellyfish Pictures.

Preparação para acelerar a mudança

Tem sido uma época tumultuada para empresas britânicas em todos os setores que têm clientela multinacional. O Brexit, a COVID e a transformação digital levaram muitas empresas a mudar a forma como operam e até mesmo para quem vendem. Porém, para alguns poucos com pensamento progressista, a ruptura tem sido o grande catalisador para recalibração e o crescimento.

No setor de mídia e entretenimento, os últimos anos foram um campo de provas para o Jellyfish Pictures de Londres devido às mudanças operacionais que o estúdio fez bem antes do início do caos: uma prevenção digital preventiva que preparou a empresa para a incerteza. O Jellyfish oferece efeitos visuais e animação para alguns dos maiores nomes de Hollywood, incluindo Star Wars: Os Últimos Jedi para a Lucasfilm/Disney, Stranger Things para a Netflix e Watchmen para a HBO. Ao longo de mais de 20 anos, ele já recebeu muitos elogios do setor pela inovação criativa e uma caixa de troféus cheia de BAFTAs e Emmys.

Quase desde o primeiro dia, adotar as tecnologias mais recentes e aplicá-las de maneira eficaz tem sido fundamental para o modelo de negócios do Jellyfish. A decisão estratégica de se tornar um dos primeiros a adotar a tecnologia de nuvem provou ser uma das mais benéficas para os negócios do estúdio, ajudando as equipes a colaborarem com eficiência e reforçando a sustentabilidade.

Diana Colella, vice-presidente da Autodesk, e Jeremy Smith, do Jellyfish Studios, no palco da Autodesk University 2022.

Jeremy Smith (direita) discute a jornada de transformação digital do Jellyfish Pictures com Diana Colella, vice-presidente da Autodesk, no palco da Autodesk University 2022.

Profissionais criativos se reúnem em um estúdio de efeitos visuais na nuvem

"Tudo começou há dez anos, antes que o setor de mídia e entretenimento começasse a realmente migrar para a tecnologia baseada na nuvem", conta Jeremy Smith, diretor de tecnologia do Jellyfish. "Mesmo assim, as circunstâncias estavam nos forçando a pensar sobre as coisas de forma diferente.

"Nosso primeiro estúdio foi no coração de Londres. Mas Londres é uma cidade cara, e é quase impossível conseguir instalações grandes o suficiente, então nos mudamos para vários edifícios. Do ponto de vista da infraestrutura, era preciso replicar toda a implantação da tecnologia quase uma vez para cada local."

Já era uma forma cara de operar, então chegou o Brexit. "Metade da nossa força de trabalho era proveniente de outros países europeus, e eles não sabiam se poderiam ou não permanecer no Reino Unido", revela Smith. "A COVID foi outro acelerador. Juntos, eles reforçaram os planos de longo prazo. Precisávamos ter uma força de trabalho amplamente remota e mais escritórios regionais. Então, decidimos repensar a maneira como trabalhamos."

Em vez de pedir que seus artistas viessem ao estúdio, o Jellyfish levou o estúdio até os artistas. Todos continuariam trabalhando sob o mesmo telhado, mas virtualmente. "Conseguimos atrair muitas pessoas por causa da nossa infraestrutura tecnológica, que nos permite contratar pessoas de todas as partes do mundo", revela Smith. "As empresas de mídia precisam procurar uma força de trabalho distribuída, pois não há pessoas suficientes para criar a quantidade de conteúdo que está sendo encomendada hoje em dia."

Estendendo seus movimentos anteriores para a nuvem, o Jellyfish digitalizou todo o seu fluxo de trabalho criativo usando ferramentas como o Autodesk Maya, o MotionBuilder (inglês), o Mudbox e o ShotGrid. "Para nós, isso significa ser capaz de recrutar talentos em qualquer lugar e oferecer a eles a flexibilidade de trabalhar em um ambiente remoto ou híbrido, o que os torna mais produtivos e os ajuda a equilibrar suas vidas profissionais e pessoais."

"Conseguimos atrair muitas pessoas por causa da nossa infraestrutura tecnológica, que nos permite contratar pessoas de todas as partes do mundo".

Jeremy Smith, diretor de tecnologia do Jellyfish Pictures

Um artista usando fones de ouvido se concentra em uma tela de computador nas instalações de estúdio do Jellyfish Pictures.

Colaboração e fluxos de trabalho conectados, que garantem um fluxo efetivo de dados entre equipes internas e outros fornecedores, ajudam os artistas do Jellyfish Pictures a permanecerem engajados e serem criativos. Imagem cortesia do Jellyfish Pictures.

A adoção antecipada compensa

Entrar cedo no caminho da maturidade digital colocou o Jellyfish em boas companhias. A transformação digital ajuda as empresas a se adaptarem a condições em rápida mudança. Aquelas que, como o Jellyfish, iniciaram esse processo cedo e estão no caminho certo para atingir suas metas de transformação digital são consideradas mais maduras digitalmente e estão se mostrando mais resilientes.

O relatório 2023 State of Design & Make (inglês), um estudo de pesquisa global da Autodesk, mostra que empresas com maturidade digital, especialmente aquelas na categoria "projeto e marca" que criam espaços, locais, objetos e experiências, estão investindo mais em soluções relacionadas a talentos e contratando pessoal de áreas geográficas mais amplas. Para setores que exigem colaboração em um processo de projeto digital para fornecer um resultado físico, é claro que o futuro depende da implementação bem-sucedida da digitalização em suas forças de trabalho: cerca de 80% dos líderes de negócios dizem que o futuro de suas empresas dependerá de ferramentas digitais.

Porém, apesar de todo o entusiasmo em torno da transformação digital, seus benefícios ainda não estão distribuídos uniformemente. "O desafio que ainda persiste em todo o nosso setor é a falta de conexão entre os colaboradores", explica Smith. "Apesar de todos os progressos, o setor ainda trabalha isoladamente, com o fornecedor A fazendo seu próprio negócio e o fornecedor B também."

Smith diz que a falta de pontos em comum torna muito difícil reunir os estúdios para o trabalha em um único projeto. "Quando trabalhamos com empresas como a Netflix, a DreamWorks e a Disney, entre outras, precisamos compartilhar arquivos. Porém, isso costuma ser um processo tedioso e manual. Temos que ingeri-lo em nosso próprio fluxo de trabalho e compartilhá-lo quando ele estiver pronto. É uma maneira confiável de fazer isso, mas também um processo herdado."

Captura de tela do software de gerenciamento de produção Autodesk ShotGrid.

O ShotGrid, a ferramenta de gerenciamento de projetos e de canal de processamento da Autodesk, ajuda a equipe do Jellyfish a rastrear, programar, revisar, colaborar e gerenciar seus ativos digitais.

Superpotências baseadas na nuvem

Para contornar esses tipos de ineficiências, o Jellyfish conta com o ShotGrid. O software de gerenciamento de produção e as ferramentas de revisão baseadas na nuvem permitem que os profissionais criativos do estúdio deem vida às suas visões, colaborando como uma equipe nos mesmos arquivos enquanto controlam prazos e gerenciam orçamentos.

"É uma solução muito valiosa", conta Smith. "Ele ajuda a garantir que toda a sua equipe esteja trabalhando na coisa certa e tenha os dados e as informações necessários para fazer isso. Por ser baseado na nuvem e poder ser acessado no navegador, ele está se tornando mais valioso como uma maneira de as pessoas colaborarem. Não importa se você está trabalhando remotamente ou no escritório, todos podem ver a mesma coisa através de uma única vitrine."

Um artista trabalha nas instalações de estúdio do Jellyfish Pictures.

Os estúdios que usam tecnologias baseadas na nuvem para simplificar a entrega de dados entre vários locais e melhorar a colaboração são capazes de se adaptar mais rápido quando os mercados mudam ou quando a falta de pessoal aumenta em determinadas regiões geográficas. Imagem cortesia do Jellyfish Pictures.

A nuvem aumenta a eficiência e a sustentabilidade

Outro benefício da transformação digital do Jellyfish Pictures é a capacidade de trabalhar de maneira mais sustentável. A demanda por conteúdo de efeitos visuais de qualidade está crescendo, o que significa maior demanda por computação de alto desempenho e a energia que ela exige. Ao otimizarem fluxos de trabalho e ciclos de computação, as tecnologias baseadas em nuvem da Autodesk e de outros fornecedores estão ajudando a Jellyfish a localizar hardware físico em áreas mais ideais para o consumo de eletricidade.

A economia de energia é boa para o planeta, enquanto a economia de custos é boa para os negócios. "Garantimos que todo o nosso fluxo de trabalho seja o mais otimizado possível para não desperdiçarmos nenhum ciclo de computação", explica Smith. "Precisamos renderizar muitas cargas de trabalho de HPC [computação de alto desempenho], e elas são extremamente caras de executar. É preciso muita energia para executar dezenas de milhares de núcleos e também é preciso muita energia para resfriá-los. Estamos literalmente transferindo essas cargas de trabalho de HPC em todo o mundo para locais onde a energia é mais barata. Para mim, essa é uma das coisas mais fáceis que você pode fazer para ser mais ecológico e sustentável."

O próximo passo na transformação digital

O Jellyfish continua desenvolvendo sua jornada digital e trabalhando na construção de pontes. O estúdio está em uma excelente posição, graças à sua maturidade digital, para ser líder no campo. Como em tantos setores, a colaboração tornou-se mais acessível por meio da tecnologia, mas ainda há desafios ao longo do caminho. "Trata-se realmente de tirar todos de seus silos", revela Smith. "Digamos que você seja um detentor de propriedade intelectual e eu seja um projetista do Jellyfish e quero criar um modelo 3D. Idealmente, queremos ser capazes de colaborar no mesmo recurso, usando o mesmo armazenamento compartilhado."

Na visão de Smith, a padronização é um elemento essencial para superar esses obstáculos. O setor está migrando para a Universal Scene Description (USD), uma descrição de cenas 3D de código aberto e formato de arquivo para criação de conteúdo e intercâmbio entre ferramentas. "Acredito que as principais prioridades para o setor de mídia e entretenimento no futuro são a padronização de ferramentas e formatos de arquivos e coisas como convenções de nomenclatura, bem como o afastamento de formatos de dados proprietários", explica Smith.

"No futuro, quero que retribuamos a colaboração para o setor e que trabalhemos de maneira colaborativa com empresas como a Autodesk e outras para fazer evoluir as ferramentas que usamos. Todos esses setores têm o mesmo problema, e muitos deles podem ser resolvidos com os mesmos componentes básicos. Trata-se apenas de como você os combina."

2023 State of Design & Make

Descubra o que está impulsionando a mudança nos campos de arquitetura, engenharia, construção, projeto de produtos, manufatura, jogos e produção de filmes neste novo relatório de pesquisa global da Autodesk.

Compartilhe esta história