Keyboard ALT + g to toggle grid overlay

MAX BÖGL

Acelerar o futuro do transporte público com a tecnologia de levitação magnética

O FUTURO DA CRIAÇÃO

Compartilhe esta história

Cortesia do Grupo de Empresas Max Bögl

A levitação magnética alimenta um transporte urbano mais eficiente e mais seguro

A empresa alemã de construção e infraestrutura Max Bögl levou a tecnologia de levitação magnética (maglev), literalmente, a novas alturas, fazendo voar um trem de levitação magnética da Alemanha para a China em um dos maiores aviões de carga do mundo. O veículo foi implantado em um trilho de demonstração para o sistema de trens de levitação magnética totalmente integrado da empresa em Sichuan, China. Com estudos de viabilidade adicionais em curso na Europa, a Max Bögl está provando que a levitação magnética é uma solução de mobilidade urbana sustentável e econômica para o transporte público local.

Uma visão para o futuro do transporte público

Aproveitando a experiência de fornecimento de trilhos para o Transrapid Shanghai, uma linha comercial de trens de levitação magnética em operação desde 2002, a Max Bögl projetou uma nova solução de mobilidade urbana totalmente automatizada: o Transport System Bögl (TSB). Embora atualmente estejam sendo realizados estudos de viabilidade na Europa, os veículos do sistema já estão sendo testados na China.

"Estamos absolutamente convencidos de que este trem de levitação magnética revolucionará o futuro do transporte público", diz Andreas Rau, gerente de produtos do TSB. "Agora, podemos oferecer um sistema de transporte mais ambientalmente sustentável e econômico como um pacote completo de trilho, veículo e tecnologia operacional."

O sistema TSB da Max Bögl recentemente ganhou o Red Dot Design Award 2020 na categoria Trens e Aviões. Cortesia do Grupo de Empresas Max Bögl.

Levitação magnética: uma tecnologia sustentável, integrada e adaptável

De acordo com Max Bögl, existem várias diferenças importantes entre o TSB e o sistema de levitação magnética do Transrapid. Em primeiro lugar, o TSB é um pacote totalmente integrado de uma única fonte. A Max Bögl tem por objetivo fornecer aos clientes uma solução de serviço completo, incluindo tudo, do planejamento à fabricação de veículos, montagem no local e operação do sistema. O foco do Transrapid é a velocidade, mas o TSB foi projetado para um fim mais complexo: proporcionar transporte público que se adapte às demandas do futuro para cidades densamente povoadas.

Isso significa que, apesar de ser mais lento, com uma velocidade de 150 km/h (95 mph), o TSB é mais silencioso, emitindo quase zero ruído e nenhuma vibração. O sistema também é flexível e pode funcionar em uma grande quantidade de paisagens urbanas. Ele pode ser instalado como uma ferrovia elevada, no nível do solo, ou mesmo como um sistema de transporte subterrâneo.

Essa adaptabilidade é o resultado de um projeto de infraestrutura preciso. O chassi do TSB engata no trilho vindo de dentro e é então puxado para cima por ímãs para uma altura de pouco mais de um quarto de polegada. Isso permite que o trilho seja muito estreito e ideal para áreas urbanas, onde o espaço é limitado.

O trilho é feito de concreto e, juntamente com a estrutura do trem, é parte integrante do Transport System Bögl. Cortesia do Grupo de Empresas Max Bögl.

A tecnologia sofisticada do TSB o torna mais seguro e eficiente. "Ele leva muita vantagem em comparação com os sistemas de transporte convencionais", afirma Rau. A combinação de operações automatizadas sem motorista, sem erro humano, com as vantagens da tecnologia de levitação magnética reduz os custos de funcionamento em 20% em comparação com os sistemas convencionais de roda-trilho. "O TSB pode ser agendado para funcionar sob demanda, o que evita viagens vazias nas horas fora do pico e nas áreas rurais", diz Rau.

Os trens também podem correr praticamente sem desgaste, o que os torna ainda mais econômicos. Em contraste com as rodas e os trilhos de um bonde, por exemplo, o trilho e o chassi não têm nenhum contato no TSB. Não há também nenhum contato entre o estator e os elementos, pois o TSB emprega um estator curto no veículo, em vez de um estator longo no trilho.

Visualização de ideias novas e radicais com modelos 3D

O TSB pode parecer a solução ideal, mas colocar em prática uma mudança tão radical dentro da indústria de transportes sempre requer um pouco de convencimento.

A Max Bögl usa modelos 3D para atrair possíveis clientes para a nova tecnologia. "As representações visuais são muito importantes na fase de desenvolvimento do projeto", diz Rau. A Max Bögl usa as soluções da Autodesk, como o InfraWorks (Inglês), o Civil 3D, o Navisworks e o Inventor, para produzir visualizações 3D do TSB para cada área do projeto.

"Para fornecer uma representação realista de como será a aparência do trilho para uma determinada rota, usamos softwares da Autodesk e uma seleção de tomadas de rastreamento de câmera com raios de curva estreitos de até quase 150 pés, além de gradientes íngremes de até 10%", diz Rau. E, em colaboração com a Autodesk Consulting, os engenheiros da Max Bögl foram capazes de melhorar a eficiência do processo de trabalho usando visualizações 3D em vez de desenhos 2D.

Um ponto de vista de olho de pássaro do trilho de teste de meia milha no estado da Baviera, no sudeste da Alemanha. O trilho de demonstração na China tem mais de 2 milhas de comprimento. Cortesia do Grupo de Empresas Max Bögl.

Construção do primeiro trilho de demonstração

A próxima etapa para a Max Bögl é dar vida ao conceito do TSB. Para convencer os clientes locais sobre a potência do sistema no local na China, a empresa alemã e sua parceira chinesa Chengdu Xinzhu Road & Bridge Machinery Co. construíram um trilho de demonstração de 2,17 milhas na província de Sichuan, no sudoeste da China, onde o TSB pode atingir quase 100 mph.

Os pesados segmentos de trilhos têm quase 40 pés de comprimento e são feitos de elementos de concreto pré-moldado fabricados em série na sede alemã da Max Bögl, que também fabrica o veículo. Os segmentos de trilho foram colocados em contêineres e transportados para a China por ferrovia na Nova Rota da Seda, e o veículo foi levado até o trilho de demonstração chinês por via aérea, e agora está em plena operação.

O primeiro veículo de produção em série do TSB foi enviado à China em junho de 2020, no Antonov 124-100, uma das maiores aeronaves de transporte do mundo. Cortesia do Grupo de Empresas Max Bögl.

Enquanto isso, o Ministério Federal dos Transportes e da Infraestrutura Digital (BMVI), na Alemanha, realiza um estudo de viabilidade sobre a utilização do TSB no Aeroporto de Munique. Esse fato constitui uma base potencial para a implantação em toda a Alemanha: já estão sendo discutidos projetos em Berlim, no estado de Schleswig-Holstein (no extremo norte do país) e na área metropolitana de Munique. O futuro dos trens de levitação magnética na Alemanha será revelado quando os resultados dos estudos forem entregues no início de 2021.

Produtos relacionados