• Brasil

    Nós o redirecionamos para uma página equivalente no nosso site local onde você pode ver preços e promoções locais e fazer compras on-line.

    Stay on our U.S. site

Keyboard ALT + g to toggle grid overlay

Teatro Nacional de Londres

Preparação de um cenário com o uso do AutoCAD

HISTÓRIA DE SUCESSO DO CLIENTE DO AUTOCAD

Compartilhe esta história

Peter Pan (Paul Hilton) e Wendy (Madeleine Worrall) em Peter Pan. Cortesia de Steve Tanner.

Transportando públicos para novos universos com cenografia em AutoCAD

Seja cenografia para fantasia, drama ou qualquer outro gênero, o projetista Oli Cooper transforma visões artísticas em realidade. Com o AutoCAD, ele dá vida ao mundo criativo no palco, ao mesmo tempo em que equilibra os desafios de materiais, custos e até mesmo de como armazenar os cenários após o último ato.

Uma olhada nos bastidores da cenografia

Considere a arte de coreografia de palco. Não, não o tipo em que cantores vibrantes em roupas brilhantes e coloridas conquistam merecidamente uma chuva de aplausos. Pense, em vez disso, em como os atores interagem com o ambiente ao redor, como prédios aparecem e desaparecem e no tempo que leva para tocar algumas notas, e em como uma pessoa com um ingresso para camarote tem uma experiência visual completamente diferente (embora não menos intrigante) do que alguém sentado bem no centro da primeira fila.

Cenografia com AutoCAD no Teatro Nacional de Londres
The Light Princess. Cortesia de Brinkhoff Mögenburg.

A cenografia uma das partes mais imersivas de qualquer apresentação, e seu projeto (ou a ausência dele) costuma ser tanto a primeira quanto a última impressão que uma produção pode causar ao público. Pode parecer mágica, como se um pó de pirlimpimpim tivesse sido jogado e, repentinamente, você não estivesse mais sentado em sua cadeira na Broadway ou no West End, ou mesmo em um auditório de colégio. Em vez disso, você foi transportado para a Verona de Romeu e Julieta, o ano de 1776 de Alexander Hamilton ou a Terra do Nunca de Peter Pan.

Oli Cooper, um cenógrafo do Teatro Nacional de Londres, é o responsável por conduzi-lo nessa jornada.

Desenho em AutoCAD de uma grande estrutura de base para torre do tambor.
Desenho em AutoCAD de uma grande estrutura de base para uma torre do tambor. Cortesia de Oli Cooper.

"Pego modelos em escala 1/25 que os projetistas produziram ou eu mesmo os crio e depois os transformo em desenhos completos de design, em que é possível editar e atualizar o design com base no orçamento, nas funcionalidades e na economia de material", explica. "Depois, levo-os para o que chamamos de desenho de bancada, em que realmente fabricamos a peça em uma oficina de metal ou carpintaria para o palco. Junto com isso, também crio plantas baixas, que são essencialmente desenhos arquitetônico do teatro com todos esses elementos, e vejo como tudo se coordena, essencialmente coreografando sua dança pelo palco."

Mas não termina por aqui. Cooper precisa considerar o que acontece com esses cenários quando a cortina se fecha pela última vez: "Preciso planejar o armazenamento inicial e, em seguida, até mesmo para o fim do espetáculo, onde serão armazenados ou possivelmente transportados e destruídos".

O software de CAD é o protagonista

Para Cooper, que trabalhava em várias produções de alto nível em seus cinco anos no Teatro Nacional, ele pode contar que um item sempre será igual em todos os espetáculos: seu software.

"Todos com quem conversei usam o AutoCAD, e eu entendo o motivo", diz. "Considerando os processos que usamos no teatro e a velocidade das mudanças, o AutoCAD permite realmente acompanharmos o processo como nenhum outro programa. Permite sermos precisos no que estamos produzindo, mas também orgânicos, o que é um equilíbrio muito difícil de conseguir."

Cenografia com AutoCAD no Teatro Nacional de Londres
The Light Princess. Cortesia de Brinkhoff Mögenburg.

Embora o software seja uma constante, os espetáculos não poderiam ser mais diferentes. Ao trabalhar em The Light Princess, ele precisava levar em conta a atriz principal, que passava muito tempo em destaque no ar. O Ark-ive exigia uma arca independente fora do teatro, que o jornal The Guardian descreveu como "um barco cinza de casco trincado que ficou encalhado: construído de cenários reciclados e sucata encontrada na beira do rio, ele tem cerca de 17 metros de comprimento e um mastro de 10 metros de altura".

Em seguida, temos a produção de Peter Pan, indicada ao prêmio Olivier Award. Não existem navios piratas nem quartos extravagantes aqui; a Terra do Nunca tem a aparência de um depósito enferrujado secretamente invadido por crianças, com fios aparentes e tudo o mais transmitindo a sensação de vestir-se no sótão da vovó (se a vovó vivesse em um ancoradouro abandonado).

Cenografia com AutoCAD no Teatro Nacional de Londres
Capitão Gancho (Anna Francolini) e os piratas em Peter Pan. Cortesia de Steve Tanner.

Apesar dessa impressão de desorganização, há um trabalho preciso nos bastidores. "Devido à qualidade e ao padrão que se esperam do trabalho em papel, acredito que eu, pessoalmente, nunca deixarei de usar o AutoCAD", afirma Cooper. "Com os complementos adicionados recentemente, existe muito material criativo que é transmitido para o AutoCAD de outros programas, você sabe, todos aqueles pequenos recursos que continuam sendo adicionados, tornando-o a melhor ferramenta geral. Ainda assim, é uma ferramenta mais específica do que qualquer outra que eu já tenha encontrado e usado."

Desenho em AutoCAD de roda para cenografia
Desenho em AutoCAD de roda para cenografia. Cortesia de Oli Cooper.

Usando o AutoCAD como base, Cooper e seus colegas estão começando a ramificar um pouco suas atividades, adicionando outros programas da Autodesk como o 3ds Max para testar as linhas de visão. É um processo complexo fascinante, que leva em conta um enorme número de variáveis para cada elemento individual do cenário.

Embora cada espetáculo ao vivo seja uma experiência diferente e um momento único no tempo, os atores que criam essa experiência dependem de a parte certa do cenário aparecer no lugar certo na hora certa. E essa parte não pode quebrar, se desgastar e nem se mover de maneira inadequada. Os atores podem agradecer a Cooper por tornar isso possível.

"Considerando os processos que usamos no teatro e a velocidade das mudanças, o AutoCAD permite realmente acompanharmos o processo como nenhum outro programa. Permite sermos precisos no que estamos produzindo, mas também orgânicos, o que é um equilíbrio muito difícil de conseguir."

Produtos relacionados